Cidades Históricas Brasileiras Ciclope LTDA
 Home > Alcântara
notícias e boletim entre em contato Ciclope.art.br Sertoes.art.br

MONUMENTOS

Ruínas do Palácio do Imperador

Símbolos da rivalidade da aristocracia local, os dois palacetes foram construídos para receber D. Pedro II. O Barão de Pindaré, Felipe Franco Sá, um dos aspirantes a anfitrião, havia sido colega de colégio do Imperador. A disputa só chegou ao fim, quando um dos proprietários foi assassinado e, por isso, a visita teria sido definitivamente cancelada. As obras nunca foram concluídas.


 


Palácio do Barão de Mearim
(ver no mapa)

Palácio do Barão de Pindaré
(ver no mapa)

topo da página

 

Forte São Sebastião

Concluído em 1763, nunca foi usado e logo estava em ruínas. Seus dois canhões, por causa de um erro de posicionamento, não conseguiriam atingir alvo algum. Foram confiscados pelo Império quando a cidade ousou resistir à independência do país.

Localização: (ver no mapa)
topo da página


Casa do Divino

  Sobrado de dois pavimentos em estilo colonial, é a sede do Império durante a festa do Divino. Os objetos ligados à festa, como altares e instrumentos ficam guardados nesta Casa.
Localização: Rua Grande, 88 (ver no mapa)
topo da página


Casa de Câmara e Cadeia

 
Antigo Senado da Câmara, poder executivo da vila, foi construída antes de 1750. Funcionou como penitenciária entre 1947 e 1965 e desde 1979 abriga Prefeitura e Câmara dos Vereadores.


Localização: Praça da Matriz (ver no mapa)
topo da página


Museu Histórico de Alcântara
Criado em 1977, fica em um dos casarões do séc. XIX que ainda preservam a fachada revestida de azulejos. O museu recria a estrutura das casas no período colonial, com móveis, louças e artes. Painéis didáticos contam a história da cidade.

Um novo museu federal deve ser inaugurado em 2002, com cerca de 2000 peças de mobiliário e louças doadas por D. Pedro II.

Localização: Praça da Matriz  (ver no mapa)
Diariamente, de 8h às 14h
 
topo da página


Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos

 
Começou a ser construída em 1780 e foi benzida em 1803, quando recebeu as imagens da santa e de São Benedito.


Localização: Rua Dr. Silva Maia (ver no mapa)
topo da página


Igreja de São Francisco de Assis

Começou a ser construída em 1812 e já no fim deste século estava em ruínas. No portal de entrada ainda se vê o símbolo da Ordem.

Localização: Rua Direita
(ver no mapa
topo da página


Igreja Nossa Senhora do Carmo

  Construída entre 1660 e 1690, contém painéis de azulejo, esculturas nos altares e púlpitos. O retábulo do altar-mor tem talha dourada em estilo rococó, feita na segunda metade do séc. XVIII. No fim do séc. XIX estava em ruínas e passou por várias reformas, a última delas iniciada em 1986.


Localização: Praça da Matriz (ver no mapa)
topo da página


Igreja Matriz de São Matias

Erguida antes de 1648 no local onde já havia existido uma capela construída pelo índio Maretin e uma igreja em homenagem a São Bartolomeu. Na virada do séc. XIX para o séc. XX já estava em ruínas e ameaçava desabar. Parte da igreja teria sido derrubada por ordem do escritor Sousândrade, que morava num casarão na praça e tinha sua vista da pasaigem atrapalhada pela torre.

Assista ao vídeo

Localização: Praça da Matriz (ver no mapa)
topo da página


Igreja de Nossa Senhora das Mercês

Construída em 1648 pela ordem dos Mercedários, ficou totalmente em ruínas. Uma capela foi construída no século XX para substituir a original.

Localização: (ver no mapa)
topo da página


Rua da Amargura


A princípio chamada de Bela Vista, esta é a rua onde moravam alguns dos mais poderosos senhores de Alcântara. A mudança de nome viria da tristeza das mães que dali viam os filhos embarcando para estudar em Lisboa, mas outra versão lembra que ali ficava originalmente o Pelourinho, onde eram castigados os escravos desobedientes. Descoberto por indicação de uma escrava, o Pelourinho foi remontado na praça da Matriz.

Localização: (ver no mapa)

Assista ao vídeo  
topo da página


Centro de Lançamento de Alcântara

Próxima à linha do Equador, a região de Alcântara é um dos melhores lugares do mundo para lançamento de foguetes: além das boas condições climáticas, gasta-se 30% menos combustível do que em outros lugares. Por isso foi instalado, em 1982, o Centro de Lançamento de Alcântara, uma base que ocupa mais da metade do território da cidade, 52.000 hectares, incluindo os terrenos transformados em agrovilas para abrigar a população que teve suas casas desapropriadas.

Os objetivos originais do Centro seriam montar e testar foguetes e satélites, garantir a segurança do espaço aéreo da região e fazer acompanhamento meteorológico.

Hoje, a base está envolvida em uma grande polêmica que diz respeito à soberania nacional: o governo brasileiro pretende alugar a base para o exército norte-americano, o que impediria o acesso de nossos cientistas e militares às dependências e equipamentos do lugar.

Localização: Av. dos Libaneses, 29 - Tirirical - (ver no mapa)
Telefone: (98) 216-9233

topo da página
História, Arte e Cultura
História
Monumentos
  Ruínas do Palácio do Imperador
Forte de São Sebastião
Casa do Divino
Casa de Câmara e Cadeia
Museu Histórico de Alcântara
Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos
Igreja de São Francisco de Assis
Igreja Nossa Senhora do Carmo
Igreja Matriz de São Matias
Igreja de Nossa Senhora das Mercês
Rua da Amargura
Centro de Lançamento de Alcântara
.
Festa do Divino

Mapas
Centro Histórico
Circuito do Maranhão
Brasil
.
voltar

Busca
Google
Web Neste site
Anuncie
Anuncie seus serviços ou seu estabelecimento nas páginas do Cidades Históricas Brasileiras e seja visto por todos os nossos visitantes.

Clique aqui para maiores detalhes.
Participe
O que anda acontecendo em sua cidade? Há alguma festa marcada para o próximo mês? Deixe aqui a sua dica e contribua na divulgação do evento: ela poderá ser incluída em nossa agenda mensal.

Clique aqui para deixar seu recado.
Sobre este site
Cidades Históricas Brasileiras é um projeto da Ciclope - Arte e publicações em meios digitais.



 

créditos fontes ajuda mapa do site