COMPARTILHAR
Anúncios Google
CORA CORALINA
Anúncios Google
 

“Versos… não
Poesia… não
um modo diferente de contar velhas histórias”
(Poema Ressalva, extraído do livro Poemas dos Becos de Goiás e estórias mais)

Cora CoralinaVoz viva da cidade de Goiás, personagem e símbolo da tradição da vida interiorana, Cora Coralina nasceu em 20 de agosto de 1889, na casa que pertencia à sua família há cerca de um século e que se tornaria o museu que hoje reconta sua história. Filha do Desembargador Francisco de Paula Lins dos Guimarães Peixoto e Jacita Luiza do Couto Brandão, Cora, ou Ana Lins dos Guimarães Peixoto (seu nome de batismo), cursou apenas as primeiras letras com mestra Silvina e já aos 14 anos escreveu seus primeiros contos e poemas. Tragédia na Roça foi seu primeiro conto publicado.

Cora CoralinaEm 1934 casou-se com o advogado Cantídio Tolentino Bretas e foi morar em Jabuticabal, interior de São Paulo, onde nasceram e foram criados seus seis filhos. Só voltou a viver em Goiás em 1956, mais de vinte anos depois de ficar viúva e já produzindo sua obra definitiva. O reencontro de Cora com a cidade e as histórias de sua formação alavancou seu espírito criativo.

Cora CoralinaTradições e festas religiosas, a comida típica da região, as famílias e seus ‘causos’, tudo motivava a escritora fazer uma ponte entre o passado e presente da cidade, numa tentativa de registrar sua história e entender as mudanças. Nas suas próprias palavras: “rever, escrever e assinar os autos do Passado antes que o Tempo passe tudo ao raso”. Com a mesma rica simplicidade de seus personagens, Cora fazia doces cristalizados para vender.

Seu primeiro livro, Poemas dos Becos de Goiás e outras histórias mais, foi publicado em 1965, e levou Cora, aos 75 anos, finalmente a ser reconhecida como a grande porta-voz de uma realidade interiorana já afetada pelo avanço da modernidade. O poeta Carlos Drummond de Andrade, surpreendido com a obra de Cora, escreveu-lhe em 1979: “(…) Admiro e amo você como a alguém que vive em estado de graça com a poesia. Seu livro é um encanto, seu lirismo tem a força e a delicadezadas coisas naturais (…)”.

Cora Coralina faleceu em Goiânia a 10 de abril de 1985. Logo após sua morte, seus amigos e parentes uniram-se para criar a Casa de Coralina, que mantém um museu com objetos da escritora.

Carlos F. d’Andréa

Alguns dos prêmios que recebeu

  • Doutor Honoris Causa – Universidade Federal de Goiás (1983)
  • Troféu Juca Pato – União Brasileira dos Escritores (1983)
  • Troféu Cora Coralina – Coordenadoria de Moral e Civismo da Secretaria de Educação do Rio de Janeiro (1982)
  • Grande Prêmio da Crítica – Associação Paulista de Críticos de Arte

 Obras de Cora Coralina

  • Estórias da Casa Velha da Ponte
  • Poemas dos Becos de Goiás e Estórias Mais
  • Meninos Verdes (infantil)
  • Meu livro de cordel
  • O Tesouro da Casa Velha
  • Vintém de Cobre
  • A Moeda de Ouro que o Pato Engoliu (Infantil)
  • Cora Coragem Cora Poesia (biografia escrita por sua filha Vicência Bretas Than)

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *