Cidades Históricas Brasileiras Ciclope LTDA
 Home > Ouro Preto
notícias e boletim entre em contato Ciclope.art.br Sertoes.art.br



HISTÓRIA


Ouro Preto nasce com a descoberta do ouro. Antes mesmo de 1700, o espírito de aventura e o ímpeto pela riqueza fácil levam à região centenas de aventureiros, em sua maioria portugueses e paulistas (chamados bandeirantes). Segundo a lenda, ao meter a gamela no Ribeirão Tripuí para matar sua sede, um homem encontra no fundo algumas pedras negras e resolve guardá-las. De volta a Taubaté, em São Paulo, de onde partira sua bandeira, repassa as pedras a outro homem, e estas chegam às mãos do então governador do Rio de Janeiro, Artur de Sá e Menezes. Num gesto despretensioso, o governador leva à boca uma das pedras e, trincando-a com os dentes, identifica o tão cobiçado metal.

A notícia logo se espalha e com ela o registro de que o achado de ouro teria ocorrido nas proximidades de uma formação rochosa chamada pelos índios de Pico do Itacolomi. Inúmeras expedições partem em busca do famoso local, mas sem sucesso retornam ao ponto de partida. Até que em 1698 o paulista Antônio Dias de Oliveira alcança a região do Itacolomi e, descobrindo um veio riquíssimo, resolve se estabelecer, mandado buscar amigos e parentes em Taubaté.

 

A partir daí, aumenta o número de bandeiras que se dirigem à região. O metal é abundante, encontrado no leito e às margens dos rios e na encosta dos morros. Em sinal de devoção cristã e agradecimento, os bandeirantes erguem rústicas capelas em adobe e palha. Numa dessas construções, possivelmente a atual Capela de São João Batista, o Padre João de Faria Fialho celebra a primeira missa da região. A atividade mineradora torna-se naturalmente a mais importante, e a inexistência de trabalho agrícola provoca fome e faz com que muitos aventureiros abandonem seus achados e retornem às suas terras de origem, retardando a efetiva ocupação do território.

Apesar dos problemas de alimentação, novos aventureiros alcançam o eldorado. Entre 1708 e 1709, paulistas — os primeiros descobridores da região — se revoltam contra os forasteiros, em sua maioria portugueses, baianos e pernambucanos. A rivalidade entre os dois grupos e a preponderância administrativa dos paulistas, que fazem a distribuição de veios de ouro, culmina na Guerra dos Emboabas. Liderados pelo comerciante português Manuel Nunes Viana, os forasteiros saem vitoriosos, tornando mais democrática a aventura do ouro.

Após o conflito, incrementa a vida da localidade o desenvolvimento de incipientes arraiais mineradores: Padre Faria, Antônio Dias, Paulistas, Bom Sucesso, Taquaral, Sant' Ana, São João, Ouro Podre, Piedade, Ouro Preto e Caquende. A cada dia os pequenos arruamentos ganham novas edificações, e o comércio surge com certa intensidade, dando configuração urbana à primitiva região mineradora. O visível crescimento desses arraiais leva o governador da capitania Antônio de Albuquerque Coelho de Carvalho a criar, em 1711, Vila Rica.

O arraial do Ouro Podre é o que mais prospera. O comerciante português Pascoal da Silva Guimarães enriquece com o ouro encontrado nas encostas do morro do Ouro Podre, tornando-se seu maior explorador. Indignado com o início do controle português e a cobrança de impostos, que exigia o recolhimento da quinta parte do ouro extraído aos cofres da Coroa, incita a rebelião conhecida como Sedição de Vila Rica. Para pôr fim ao movimento, o governador Dom Pedro de Almeida, Conde de Assumar, toma medidas drásticas: manda prender e enforcar Felipe dos Santos, fiel partidário de Pascoal da Silva, e incendeia o arraial do Ouro Podre, conhecido ainda hoje como Morro da Queimada.

Com o correr do tempo, os arraiais mineradores crescem e a distância que os separa diminui. Os arraiais de Antônio Dias e Ouro Preto se unem no morro de Santa Quitéria, onde hoje está a Praça Tiradentes. A rua principal toma sentido longitudinal, ligando as três colinas que vão formar a futura cidade de Ouro Preto: Cabeças, Praça Tiradentes e Santa Efigênia e, mais abaixo, o Padre Faria. O arraial de Ouro Preto forma com o de Antônio Dias o núcleo de Vila Rica, impondo seu nome, que tem origem nas primeiras descobertas do metal precioso.

De 1730 a 1760, a produção aurífera atinge seu apogeu. Sabe-se que entre 1735 e 1751 o quinto do ouro chegou a 34.275 quilos, o que leva à soma de 2.142 quilos recolhidos por ano pela Coroa. Essa é a fase gloriosa de Ouro Preto, assinalada por suas sofisticadas construções e festas barrocas. A mais famosa delas foi o Triunfo Eucarístico procissão que trasladou o Santíssimo Sacramento da Igreja de Nossa Senhora do Rosário para a Matriz de Nossa Senhora do Pilar, por ocasião de sua inauguração. A riqueza e a pompa do cortejo foram minuciosamente descritas pelo cronista Simão Ferreira Machado, revelando o fausto da vida social da época.

Ao final do governo Gomes Freire, em 1763, já se vislumbra a decadência do ouro e o iminente colapso econômico. As dificuldades de se extrair mais ouro levam o governo português a criar novos impostos, sem se preocupar em dinamizar a economia colonial. Alguns anos depois, o novo governador de Vila Rica, Visconde de Barbacena, toma a si a missão de lançar a derrama, imposto compulsório sobre os rendimentos atrasados do quinto do ouro, que, em 1788, ultrapassavam oito mil quilos.

O inconformismo com a situação econômica, as informações sobre as revoltas na França e na América do Norte e a ideologia iluminista infiltrada na sociedade mineradora fazem nascer no seio de Vila Rica a consciência revolucionária. As camadas mais abastadas — comerciantes, intelectuais e militares — conspiram e tramam a conjuração mineira em favor do ideal libertário, visando à separação da colônia de Portugal e à proclamação da independência. Mas o movimento, que ficou conhecido como Inconfidência Mineira, é frustrado pela denúncia do Coronel Joaquim Silvério dos Reis ao Visconde de Barbacena em 1789. Faziam parte do movimento Tomás Antônio Gonzaga, Cláudio Manuel da Costa, Inácio José de Alvarenga Peixoto, Cônego Luís Vieira da Silva, Franscisco Paula Freire de Andrade, José Álvares Maciel e os padres José de Oliveira Rolim e Carlos Correia de Toledo, além do alferes Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes. Como mostra da força repressora da Coroa, os líderes do movimento são punidos com o exílio, e Tiradentes é condenado à morte. Enforcado e esquartejado no Rio de Janeiro, sua cabeça ficou exposta em Vila Rica, na atual Praça Tiradentes. Os padres cumpriram pena em conventos de Lisboa e os demais participantes foram banidos para a África.

No início do século XIX, a principal atividade do país é a agricultura, com a introdução da lavoura de café em São Paulo e nos estados do sul. Vila Rica deixa de ser a referência econômica do país, mas continua politicamente ativa. Em 1823, é elevada a capital da Província de Minas Gerais, passando a se chamar Imperial Cidade de Ouro Preto. Sua vocação cultural é reforçada com a criação de duas escolas de nível superior: a Escola de Farmácia, em 1839, primeira da América Latina, e a Escola de Minas de Ouro Preto, criada por ato de Dom Pedro II, em 1876, e implantada pelo francês Claude-Henri Gorceix. Com a proclamação da República, em 1889, Ouro Preto permanece como capital de Minas Gerais até 1897, quando é inaugurada Belo Horizonte, planejada e construída para esse fim. A partir daí, a cidade esvazia-se por completo. Além dos setores administrativos e econômicos, famílias inteiras transferem-se para a nova capital, deixando para trás memórias de um passado glorioso.

A perda do papel administrativo de sede do Estado será fato de grande importância para a conservação das feições urbanas da antiga Vila Rica, que, sem a necessidade do acelerado crescimento imposto às capitais brasileiras no século XX, mantém praticamente inalterado seu conjunto arquitetônico, artístico e natural. Em 1924, a cidade é visitada pelos modernistas Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Tarsila do Amaral, acompanhados do poeta francês Blaise Cendrars. Esses artistas agitavam o país com sua nova estética, lançada na Semana de 22, em São Paulo, que mudaria definitivamente os padrões da arte no Brasil. A visita serviu para revalorizar o barroco como estilo nacional, despertando o interesse pela figura de Aleijadinho no país e no mundo. Desde então, e sobretudo após a criação da Universidade Federal de Ouro Preto, em 1969, a cidade mantém sua vocação artística e cultural graças às suas escolas centenárias, aos festivais de arte e à realização de festas tradicionais.

Ao longo dos anos, a preocupação com a preservação de Ouro Preto se concretizou através de sucessivas medidas oficiais. Em 1931, o prefeito João Batista Ferreira Velloso proíbe construções que alterem o 'facies' colonial da cidade. Dois anos depois, é decretada Monumento Nacional, sendo inscrita em 1938 no Livro de Tombo do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, SPHAN. Em 1944, ano do bicentenário do poeta e inconfidente Tomás Antônio Gonzaga, a criação do Museu da Inconfidência reforça a relevância histórica e artística de Ouro Preto no cenário nacional. Em 1980, após importantes estudos feitos por uma equipe de especialistas vinculados à Unesco, a cidade é reconhecida como Patrimônio Cultural da Humanidade.



 
História, Arte e Cultura
.
História Monumentos:
Civis
Religiosos
Museus

Artes:
Artesanato
Arquitetura
Pintura
Escultura
Música

Teatro
Literatura
Especial:
Ig. S. Francisco
Biografias:
Alberto da Veiga Guignard
Aleijadinho 
Alvarenga Peixoto
Bárbara Heliodora
Cláudio Manoel da Costa
Francisco Xavier
Manuel F. Lisboa
Tomaz Gonzaga
Tiradentes     
.
Veja também:
Compositores e trechos de Música Colonial em MG
.
Mapas
.
Centro Histórico
Brasil

topo da página
voltar

Busca
Google
Web Neste site
Anuncie
Anuncie seus serviços ou seu estabelecimento nas páginas do Cidades Históricas Brasileiras e seja visto por todos os nossos visitantes.

Clique aqui para maiores detalhes.
Participe
O que anda acontecendo em sua cidade? Há alguma festa marcada para o próximo mês? Deixe aqui a sua dica e contribua na divulgação do evento: ela poderá ser incluída em nossa agenda mensal.

Clique aqui para deixar seu recado.
Sobre este site
Cidades Históricas Brasileiras é um projeto da Ciclope - Arte e publicações em meios digitais.



 

créditos fontes ajuda mapa do site